CTB Digital

CTB Digital

Comentário

    O artigo 78 obriga a realização de programas destinados à prevenção de ocorrências de trânsito por cinco Ministérios diferentes: da Saúde, da Educação, do Trabalho, dos Transportes e da Justiça, o que deve ter a interveniência do Conselho Nacional de Trânsito e o suporte financeiro de parte do valor arrecadado com o pagamento, pelos proprietários de veículos, do seguro DPVAT – Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre.
    O Contran regulamentou a matéria por meio da Resolução n. 143/03, prevendo a sua competência na definição das linhas prioritárias dos Programas e Projetos a serem desenvolvidos por tais Ministérios e estabelecendo, em seu artigo 2º, que “caberá ao Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN, a compatibilização e a consolidação dos projetos desenvolvidos e apresentados pelos Ministérios referidos no artigo anterior, a fim de que seja elaborado o programa de ação do Estado para o cumprimento de sua missão institucional de redução e prevenção de acidentes de trânsito”. 
    Para apreciação e aprovação dos Programas e Projetos, deve ser feita análise de custo/benefício, com a verificação, dentre outros, dos seguintes fatores: pacto sobre a morbimortalidade; educação para o trânsito; produção de informações; intersetorialidade; segurança no trânsito; eventuais superposições com outros programas e projetos, e impacto financeiro (artigo 5º da Resolução n. 143/03).
    O parágrafo único do artigo 78 estabelece que o recurso a ser utilizado nestes Programas deve se originar do valor do DPVAT destinado à Previdência Social, numa proporção de 10% desta destinação parcial do arrecadado, o que equivale a 5% de toda a arrecadação do Seguro Obrigatório, instituído pela Lei n. 6.194/74, tendo em vista que 50% dos pagamentos do DPVAT, pelos proprietários de veículos, destinam-se às indenizações das vítimas do trânsito e os outros 50% é que são repassados à Seguridade Social, com destinação ao Sistema Único de Saúde, para custeio da assistência médico-hospitalar dos segurados (artigo 27, parágrafo único, da Lei n. 8.212/91).
    Ressalta-se que o repasse destes 5% do DPVAT ao Conselho Nacional de Trânsito deve ter aplicação exclusiva em programas destes Ministérios, como prevê taxativamente o dispositivo sob comento.

 

JULYVER MODESTO DE ARAUJO, Capitão da Polícia Militar de São Paulo, com atuação no policiamento de trânsito urbano desde 1996; Mestre em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo Centro de Altos Estudos de Segurança da PMESP; Mestre em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica - PUC/SP; Especialista em Direito Público pela Escola Superior do Ministério Público de SP; Coordenador de Cursos, Professor, Palestrante e Autor de livros e artigos sobre trânsito.

Autor:

    Os comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Empresa.

    É estritamente proibido o uso e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do comentário.

Art. 78

Capítulo VI - DA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO

Os Ministérios da Saúde, da Educação e do Desporto, do Trabalho, dos Transportes e da Justiça, por intermédio do CONTRAN, desenvolverão e implementarão programas destinados à prevenção de acidentes.

Parágrafo único. O percentual de dez por cento do total dos valores arrecadados destinados à Previdência Social, do Prêmio do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre - DPVAT, de que trata a Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974, serão repassados mensalmente ao Coordenador do Sistema Nacional de Trânsito para aplicação exclusiva em programas de que trata este artigo.        

AS IMAGENS EXIBIDAS SÃO MERAMENTE ILUSTRATIVAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. ATUALIZADO EM: 20/09/2017. POWERED BY TOTALIZE INTERNET STUDIO.  Site map