CTB Digital

CTB Digital

Comentário

    O equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo (conhecido como tacógrafo) destina-se ao controle de determinados veículos, em relação a três quesitos: velocidades, distâncias percorridas e tempos transcorridos, durante o seu trajeto (incluindo o registro dos momentos de imobilização).
    Inicialmente utilizado como ferramenta de controle de frota, de interesse exclusivo dos proprietários de alguns veículos (em especial os utilizados no transporte rodoviário de cargas), hoje é previsto, pela legislação de trânsito, como obrigatório para alguns veículos, nos termos do artigo 105, inciso II, do CTB, e Resoluções do Conselho Nacional de Trânsito n. 14/98 e 87/99:
- veículos de transporte e de condução escolar;
- veículos de transporte de passageiros com mais de dez lugares (exceto se registrado na categoria particular e que não efetue transporte remunerado);
- veículos de transporte de produto perigoso a granel (aqueles nos quais a própria estrutura do veículo é utilizado para o acondicionamento da carga – “caminhão-tanque”);
- veículos de transporte de carga com capacidade máxima de tração igual ou superior a 19 toneladas; e
- veículos de transporte de carga com capacidade máxima de tração inferior a 19 toneladas, apenas se atender, cumulativamente, as seguintes condições: peso bruto total superior a 4.536 kg e fabricação a partir de 1991.
    Os requisitos técnicos deste tipo de equipamento estão previstos na Resolução n. 92/99 (alterada pela Resolução n. 406/12), a qual prevê, entre outras especificações, que a extração, análise e interpretação dos dados registrados somente podem ser realizadas por agente fiscalizador que tenha sido submetido a um prévio treinamento sob responsabilidade do fabricante, conforme instrução dos fabricantes dos equipamentos ou pelos órgãos incumbidos da fiscalização.
    Todavia, nos casos destes veículos se envolverem em ocorrências de trânsito com vítima, para garantir a confiabilidade dos dados registrados pelo equipamento, prevê o artigo 279 que somente o perito oficial encarregado do levantamento pericial poderá retirar o disco ou unidade armazenadora do registro.
 
JULYVER MODESTO DE ARAUJO, Capitão da Polícia Militar de São Paulo, com atuação no policiamento de trânsito urbano desde 1996; Mestre em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo Centro de Altos Estudos de Segurança da PMESP; Mestre em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica - PUC/SP; Especialista em Direito Público pela Escola Superior do Ministério Público de SP; Coordenador de Cursos, Professor, Palestrante e Autor de livros e artigos sobre trânsito.

Autor:

    Os comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Empresa.

    É estritamente proibido o uso e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do comentário.

Art. 279

Capítulo XVII - DAS MEDIDAS ADMINISTRATIVAS

Em caso de acidente com vítima, envolvendo veículo equipado com registrador instantâneo de velocidade e tempo, somente o perito oficial encarregado do levantamento pericial poderá retirar o disco ou unidade armazenadora do registro.
 

AS IMAGENS EXIBIDAS SÃO MERAMENTE ILUSTRATIVAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. ATUALIZADO EM: 20/09/2017. POWERED BY TOTALIZE INTERNET STUDIO.  Site map