CTB Digital

CTB Digital

Comentário

    O artigo 126, que trata da baixa de registro de veículo, teve uma pequena alteração, pela Lei n. 12.977/14, em vigor desde 21/05/15, que regula e disciplina a atividade de desmontagem de veículos automotores (oficinas de desmanche): foi substituída a expressão “definitivamente desmontado” por “destinado à desmontagem”; ou seja, primeiro se realiza a baixa do registro, junto ao órgão de trânsito, para somente depois proceder a sua retirada de peças para revenda.
    Existem, de acordo com este dispositivo, duas situações em que o cadastro do veículo deve ser retirado do RENAVAM – Registro Nacional de Veículos Automotores: quando ele for irrecuperável, ou, independente da possibilidade de recuperação, se o proprietário decidir vendê-lo em partes, aproveitando-se apenas os seus componentes. Verifica-se, pelo parágrafo único, que a responsabilidade não é somente do proprietário cujo nome consta no órgão de trânsito, mas repassada à companhia seguradora ou ao adquirente do veículo destinado à desmontagem.
    Nem sempre esta obrigatoriedade é cumprida, sendo frequente que veículos sejam abandonados pelo seu proprietário, sem que se informe ao órgão estadual de trânsito, para a devida baixa. Além disso, como a exigência não alcança os veículos que simplesmente não mais circulam na via pública e permanecem guardados nas residências de seus proprietários, também é comum, em todos os Estados, que os registros contabilizem um número expressivo de veículos que já estão fora de circulação, por vezes com o licenciamento vencido e até com placas antigas (2 letras e 3 números).
    Considera-se como veículo irrecuperável aquele que se envolve em ocorrência de trânsito e cujos danos sejam classificados como grande monta, nos termos da Resolução do Conselho Nacional de Trânsito n. 362/10, cujo artigo 7º assim estabelece: “O veículo enquadrado na categoria “dano de grande monta” deve ser classificado como “irrecuperável” pelo órgão ou entidade executivo de trânsito dos Estados ou do Distrito Federal que detiver seu registro, devendo ser executada a baixa do seu cadastro na forma determinada pelo CTB” (a partir de 01/03/16, esta Resolução estará revogada e substituída pela de n. 544/15, que mantém a mesma determinação em seu artigo 8º).
    O prazo para que o responsável promova a baixa do registro do veículo é de 15 (quinze) dias, após a constatação da sua condição através de laudo, nos termos da Resolução n. 11/98, estando sujeito à imposição da multa prevista no artigo 240, por deixar de efetivar tal providência.
 
JULYVER MODESTO DE ARAUJO, Capitão da Polícia Militar de São Paulo, com atuação no policiamento de trânsito urbano desde 1996; Mestre em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública pelo Centro de Altos Estudos de Segurança da PMESP; Mestre em Direito do Estado pela Pontifícia Universidade Católica - PUC/SP; Especialista em Direito Público pela Escola Superior do Ministério Público de SP; Coordenador de Cursos, Professor, Palestrante e Autor de livros e artigos sobre trânsito.

Autor:

    Os comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Empresa.

    É estritamente proibido o uso e/ou publicação desse material, em qualquer meio, sem permissão expressa e escrita do autor do comentário.

Art. 126

Capítulo XI - DO REGISTRO DE VEÍCULOS

O proprietário de veículo irrecuperável, ou destinado à desmontagem, deverá requerer a baixa do registro, no prazo e forma estabelecidos pelo Contran, vedada a remontagem do veículo sobre o mesmo chassi de forma a manter o registro anterior. (Redação dada pela Lei nº 12.977, de 2014)

Parágrafo único. A obrigação de que trata este artigo é da companhia seguradora ou do adquirente do veículo destinado à desmontagem, quando estes sucederem ao proprietário.
 

AS IMAGENS EXIBIDAS SÃO MERAMENTE ILUSTRATIVAS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. ATUALIZADO EM: 20/09/2017. POWERED BY TOTALIZE INTERNET STUDIO.  Site map